Banca de DEFESA: MARCOS APARECIDO PEREIRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARCOS APARECIDO PEREIRA
DATA : 03/12/2021
HORA: 08:00
LOCAL: Via Webconferência
TÍTULO:

MITESSÊNCIA DO SER EM PRIMEIRAS ESTÓRIAS: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DO IMAGINÁRIO SIMBÓLICO

 


PALAVRAS-CHAVES:

Primeiras estórias; imaginário simbólico; consciente; inconsciente; ser humano.


PÁGINAS: 240
RESUMO:

Este trabalho tem como objetivo analisar a obra Primeiras Estórias, de João Guimarães Rosa, com base na Teoria do Imaginário. Nesse sentido, buscou compreender os possíveis sentidos dos contos, a partir dos símbolos que regem as narrativas e, também, da organização interna do livro. Nesse intento, procuramos interpretar os elementos simbólicos que integram as estórias, bem como entender e discutir de que forma os Regime Diurno e Noturno, propostos por Gilbert Durand, se apresentam na estruturação da obra, mediada pelo conto central: O espelho. E, assim, partindo do imaginário simbólico e da esquematização dos textos nessa coletânea, tentamos refletir sobre o ser humano e suas experiências representadas ao longo das narrativas que compõem essa obra. À vista disso, de acordo com a hipótese de “paralelismo espelhado”, foram extraídos os elementos simbólicos de cada narrativa que, por sua vez, foram compreendidos com o auxílio de dicionários de símbolos e em relação com a teoria de Durand, a fim de verificar essa possibilidade de leitura. Logo, acreditamos que a hermenêutica simbólica pode auxiliar-nos a interpretar como essas estórias contam-nos acerca da psique e das estruturas que ajudaram a sustentar processo evolutivo humano, seja em perspectiva individual ou coletiva e, ainda, a perceber frações representativas do processo de individuação e da função transcendente, descritos no pensamento de Carl Jung, que embasará as reflexões propostas ao longo das análises. Isso posto, é necessário destacar que a palavra mitessência tem relação com esse emaranhado de energias arquetípicas, simbólicas e míticas que nos transpassam, forças sem as quais não teríamos tantas estórias (e histórias) para contar. Está, portanto, no bojo das potências e estruturas primitivas e essenciais que fundaram e fundam estórias que, por sua vez, fazem parte de tanto do consciente quanto do inconsciente das pessoas, pois continuam a nos proporcionar experiências que jamais são neutras e que, consequentemente, tornam-se parte de nós, ainda que sejam invisíveis. À vista disso, a sistematização das estórias, a partir de constelações simbólicas opostas e complementares, oferece-nos a oportunidade de reavaliar “certezas”, descobrir frinchas na realidade e notar que a vida e, nesse caso, especialmente, o ser humano é composto de muitas partes fragmentadas. Assim sendo, a ambiguidade e ambivalência da composição das narrativas dessa coletânea favorece a construção de sentidos múltiplos dos textos e, dessa forma, estimula a reflexão sobre o que está na essência de nossa constituição, aquilo que está para além da exterioridade ou daquilo que conhecemos fisicamente, logo, nos caminhos mais recônditos da psique de nosso ser. Desse modo, poderíamos dizer que os sentidos propostos ao analisar essas estórias são como os próprios seres humanos, fluidos, transitórios e em busca de uma complementaridade, pois brotam de nossas próprias e íntimas vivências e, portanto, se expandem continuamente com nossas leituras na ficção ou na vida real.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 005.157.981-26 - EPAMINONDAS DE MATOS MAGALHAES - IFMT
Interno - 54869003 - MARINEI ALMEIDA
Interno - 83238001 - VERA LUCIA DA ROCHA MAQUEA
Externo à Instituição - ELIZABETH DE ANDRADE LIMA HAZIN - UnB
Externo à Instituição - ROSEMAR EURICO COENGA - UNIC
Notícia cadastrada em: 18/10/2021 17:13
SIGAA | Tecnologia da Informação da Unemat - TIU - (65) 3221-0000 | Copyright © 2006-2022 - UNEMAT - sig-application-01.applications.sig.oraclevcn.com.srv1inst1