Banca de DEFESA: THIAGO FERNANDES

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : THIAGO FERNANDES
DATA : 22/07/2021
HORA: 18:30
LOCAL: Sala virtual google.meet
TÍTULO:

MATERIAL PARTICULADO EMITIDO EM QUEIMADAS,
VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E O ADOECIMENTO
RESPIRATÓRIO EM CRIANÇAS NO SUDESTE DA
AMAZÔNIA PARAENSE


PALAVRAS-CHAVES:

Poluição do ar; Variáveis meteorológicas; Crianças; Modelagem;
Amazônia Legal brasileira


PÁGINAS: 254
RESUMO:

FERNANDES, T. Material particulado emitido em queimadas, variáveis
meteorológicas e o adoecimento respiratório em crianças no Sudeste da
Amazônia Paraense. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais) - CELBE - Centro de
Pesquisa de Limnologia, Biodiversidade, Etnobiologia do Pantanal, Universidade do
Estado de Mato Grosso Carlos Alberto Reyes Maldonado. Cáceres-MT, p. 254. 20211,2
.
Introdução: Poluentes atmosféricos de diâmetro menor que 2,5 µm desprendidos de
queimadas e a variabilidade dos elementos meteorológicos são uma grande ameaça à
saúde pública; além de convergirem de forma efetiva para ocorrência de internações
hospitalares por Doenças do Aparelho Respiratórias (DAR), especialmente em grupos
mais predisposto como o de crianças. Objetivo: Investigar possíveis relações entre o
número de internações hospitalares por DAR em crianças menores de cinco anos e o
MP2,5 e as variáveis meteorológicas, no período de 2010 a 2019, em 39 municípios que
compõem a Mesorregião Sudeste do Pará. Método: Trata-se de um estudo descritivo
com delineamento ecológico de séries temporais da associação entre as morbidades
por DAR e material particulado fino (MP2,5) emitido em queimadas e atributos
meteorológicos (precipitação, temperatura do ar e umidade relativa do ar). Os dados
epidemiológicos de internações foram obtidos no Sistema de Informação Hospitalar do
SUS (SIH/SUS), disponibilizados pelo Departamento de Estatística do SUS
(DATASUS). E os dados de MP2,5 e meteorológicos, no banco de informações do
Sistema de Informações Ambientais Integrado à Saúde Ambiental (SISAM) e do sistema
Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Para a análise estatística dos dados, foi
ajustado o modelo binomial negativo para estimar a relação entre as variáveis,
pertencente à classe dos Modelos Lineares Generalizados. No entanto, um modelo
misto foi implementado e ajustado para cada Região de Integração e municípios, usando
uma distribuição binomial negativa, adotando-se um nível de significância de 1%, com
base na plataforma estatística R. Resultados: Entre 2010 a 2019, foram registradas
50.750 internações hospitalares por doenças respiratórias, e mais da metade dos casos
atendidos (56%) foi do gênero masculino. O ano de 2010 exibiu 13,8% do total geral de
internações. Houve maior frequência de internações no período chuvoso (novembro a
maio) correspondendo a 62% dos casos totais registrados. A temperatura do ar (β3=-
0,0143) e a umidade relativa do ar (β4=0,0049) foram as únicas variáveis explicativas
que expuseram relações com os casos de internações. Contudo, apenas a umidade
exibiu relação estatisticamente positiva, indicando aumento dos casos de internações
por doenças respiratórias em função do aumento da umidade. Estima-se que o número
médio de casos de internações por doenças respiratórias aumenta aproximadamente
4% para cada aumento de 10% no valor da umidade relativa média, e diminui
aproximadamente 2% a cada grau Celsius de aumento acima da temperatura média do
ar. Conclusão: Períodos mais chuvosos podem propiciar o aumento da umidade,
favorecendo a proliferação fúngica. Este é o primeiro estudo realizado para uma das
mesorregiões do estado do Pará. Por isso, avaliar o risco de internações hospitalares
por doenças respiratórias para o grupo populacional mais predisposto em razão da
variabilidade dos elementos meteorológicos é um passo importante para o planejamento
e implementação de ações que vão ao encontro de um melhor bem-viver subjetivo. Os
gestores da saúde pública podem utilizar o modelo de predição aferido para preparar os
serviços de saúde para receber crianças nessa faixa etária com essa morbidade.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 82314001 - ELIANE IGNOTTI
Externo à Instituição - LUCIANO RODRIGO LANSSANOVA - IFMT
Externo à Instituição - Ludmilla da Silva Viana Jacobson - UFF
Presidente - 181.924.407-53 - SANDRA DE SOUZA HACON - Fiocruz - RJ
Interno - 82438001 - SANDRO BENEDITO SGUAREZI
Externo à Instituição - Walkiria Shimoya Bittencourt - UNIC
Notícia cadastrada em: 22/06/2021 15:54
SIGAA | Tecnologia da Informação da Unemat - TIU - (65) 3221-0000 | Copyright © 2006-2022 - UNEMAT - sig-application-03.applications.sig.oraclevcn.com.srv3inst1