Banca de DEFESA: LAIZ BRUNA DINIZ DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LAIZ BRUNA DINIZ DA SILVA
DATA : 24/02/2022
HORA: 13:30
LOCAL: Via google meet: meet.google.com/bfr-kfgt-vdu
TÍTULO:

COMPOSIÇÃO, ESTRUTURA E DIVERSIDADE DE FLORESTAS AMAZÔNICAS MATO-GROSSENSES PARA ESPÉCIES ARBÓREAS COMERCIAIS


PALAVRAS-CHAVES:

Diversidade florística, Estrutura Horizontal, Amazônia.

 

PÁGINAS: 57
RESUMO:

(Composição, estrutura e diversidade de florestas amazônicas mato-grossenses para espécies arbóreas comerciais). Este trabalho teve como objetivo analisar a estrutura comunitária horizontal e diversidade florística das florestas amazônicas mato-grossenses para o componente arbóreo de interesse comercial, buscando responder às seguintes perguntas: 1) Como varia a estrutura horizontal entre as fitofisionomias? 2) Quais fitofisionomias apresentaram maiores valores de diversidade florística 3) Dentre as espécies com maior valor sociológico, há espécies ameaçadas de extinção? A área de estudo compreende a Floresta Amazônica do estado de Mato Grosso (MT), que ocupa uma área de 512.734,27 km². A base de dados que utilizamos foi proveniente do banco de dados da SEMA (Secretaria do Estado de Meio Ambiente) e é referente a áreas aprovadas para manejo florestal sustentável com finalidade de exploração madeireira. Os dados dessa base são: diâmetro do tronco principal medido a 1,30 m do solo (DAP), altura comercial (Hc), identificação das espécies por nome científico e popular de cada indivíduo, coordenadas geográficas das árvores. Analisamos a estrutura horizontal por meio de índices fitossociológicos para as fitofisionomias do bioma amazônico. Avaliamos a diversidade florística e a equabilidade por meio dos Índices de Shannon (H’) e Pielou (J’), respectivamente. Por fim, verificamos se, entre espécies com maior valor sociológico, haveria espécies ameaçadas de extinção; para isso utilizamos a lista vermelha do site da CNCFlora. Os valores obtidos para o índice de diversidade de Shannon nas diferentes fitofisionomias demonstram que as áreas amostradas apresentaram diversidade florística razoável, com valores variando entre 2,86 e 4,69. A área de estudo, em geral, apresentou bons valores de equabilidade (J’ entre 0,65 e 0,90). A família Fabaceae se destacou em todas as fitofisionomias, sendo a família com maior riqueza de espécies. Houveram espécies vulneráveis entre as que mais se destacaram nos índices de valor de importância. Concluímos que a vegetação de interesse comercial presente na floresta Amazônica mato-grossense apresenta diversidade florística razoável, alta abundância de espécies, e muitos indivíduos com grande potencial madeireiro.

 

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 253995001 - VINICIUS AUGUSTO MORAIS
Interno - 253817001 - JULIANA GARLET
Externo à Instituição - EMANUEL JOSÉ GOMES DE ARAÚJO - UFRRJ
Notícia cadastrada em: 15/02/2022 10:03
SIGAA | Tecnologia da Informação da Unemat - TIU - (65) 3221-0000 | Copyright © 2006-2022 - UNEMAT - sig-application-03.applications.sig.oraclevcn.com.srv3inst1