Banca de DEFESA: ROGERIO BRITO DE LIMA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ROGERIO BRITO DE LIMA
DATA : 12/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Universidade do Estado de Mato Grosso
TÍTULO:

DINÂMICA DA VEGETAÇÃO DO PROJETO DE ASSENTAMENTO SÃO PEDRO E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS FRENTE À OCUPAÇÃO DA AMAZÔNIA MERIDIONAL: ESTUDO DE CASO DO PROJETO DE ASSENTAMENTO SÃO PEDRO


PALAVRAS-CHAVES:

Desmatamento; reforma agrária; políticas públicas; pecuária; desenvolvimento social.


PÁGINAS: 31
RESUMO:

As famílias beneficiárias da reforma agrária, quando alocadas em um novo projeto de assentamento, enfrentam inúmeras dificuldades para a garantia de sua subsistência, tornando necessária a reflexão sobre a relação entre reforma agrária e as políticas públicas capazes de garantir a essas famílias subsistência e sustentabilidade, por meio do desenvolvimento da agricultura familiar. Apesar de sua importância social e econômica, a criação dos assentamentos tem se tornado ponto de discussão frequente, como um dos grandes responsáveis pelo desmatamento da Amazônia. Dessa forma, se faz necessário estudo da dinâmica do desmatamento e sua relação com o fomento do Estado para a exploração econômica dos assentamentos. A presente pesquisa objetiva quantificar e avaliar o desmatamento no Projeto de Assentamento São Pedro, município de Paranaíta, Estado do Mato Grosso, no intervalo de 22 anos, para entender até que ponto a política da reforma agraria está relacionada com o crescimento do desmatamento e quais os seus impactos sociais, econômicos e ambientais. O estudo da evolução do desmatamento no período de 1997 a 2018 baseou-se em análises comparativas a partir de mapas temáticos elaborados por meio do sensoriamento remoto, que tornaram possível medir o avanço das áreas desmatadas ao longo dos anos. O resultado dessas análises foi comparado, também, com os dados coletados nas instituições responsáveis pela implementação de políticas públicas na região (INCRA, EMPAER), confirmados em publicações acadêmicas sobre o mesmo tema. Após a classificação e análise das imagens constatou-se a evolução do desmatamento no território. No ano de criação, a área era constituída em 91,51% de vegetação e apenas 8,49% de áreas desmatadas. Já em 2018, a situação é o inverso, 82,73% da área total está desmatada, o que equivale a 28.869,58 ha, com uma média 1.312,25 ha/ano. Os maiores índices de desmatamento são apresentados nos anos de liberação e aplicação dos recursos do Pronaf, o que está diretamente ligado à abertura de áreas para exploração da pecuária.  Os resultados do presente estudo permitem concluir que a ausência ou insuficiência das medidas da política agrícola nacional destinadas às famílias assentadas de reforma agrária exerce reflexo direto nos índices de desmatamento, além de limitar o desenvolvimento social e econômico dos beneficiários.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 253817001 - JULIANA GARLET
Externo à Instituição - MIQUÉIAS FREITAS CALVI - UFPA
Presidente - 253995001 - VINICIUS AUGUSTO MORAIS
Notícia cadastrada em: 11/02/2020 18:36
SIGAA | Tecnologia da Informação da Unemat - TIU - (65) 3221-0000 | Copyright © 2006-2022 - UNEMAT - sig-application-03.applications.sig.oraclevcn.com.srv3inst1