Banca de DEFESA: GABRIEL DOS SANTOS CARVALHO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GABRIEL DOS SANTOS CARVALHO
DATA : 04/09/2020
HORA: 08:00
LOCAL: Sala de vídeo conferencia do Campus de Tangará da Serra
TÍTULO:

Controle biológico natural e aplicado: influência dos fragmentos de vegetação nativa e liberações de Trichogramma pretiosum (Riley, 1879) sobre o parasitismo lepidópteros-praga na cultura da soja


PALAVRAS-CHAVES:

Vegetação natural, habitat adjacente, lepidópteros – praga, controle biológico natural, controle biológico aplicado. 


PÁGINAS: 89
RESUMO:

A expansão agrícola da soja favorece o aparecimento de pragas e a redução de áreas de vegetação natural, comprometendo os serviços ecossistêmicos prestados pelos insetos benéficos. O controle destas pragas ocorre através de inseticidas, que causam impactos a saúde humana e ao meio ambiente, além de prejudicarem seus inimigos naturais. Neste sentido, a presente tese avaliou a influência de habitats nativos e liberações inundativas de Trichogramma pretiosum (Riley) sobre o parasitismo de lepidópteros-praga da soja. Para tanto, no capítulo I avaliamos, em uma área, se a distância do cultivo em relação ao fragmento de Cerrado interfere na riqueza, abundância e taxa de parasitismo de lepidópteros-praga por Ichneumonoidea. Observamos que a distância do cultivo em relação a borda não afetou a diversidade de Ichneumonoidea, abundância e taxa de parasitismo, porém influenciou na abundância de lagartas, com a menor média mais próximo do fragmento. A diversidade de Ichneumonoidea foi maior na entressafra e no vegetativo. As subfamílias mais abundantes foram Ichneumoninae, Microgastrinae, Macrocentrinae e Cremastrinae. No segundo capítulo verificamos se a taxa de parasitismo e abundância de lepidópteros-praga da soja foram afetados pela distância e quantidade de habitat natural, quantidade de pastagem e área total cultivada, em diferentes áreas de cultivo. Verificamos que a distância afetou o parasitismo das lagartas, aumentando à medida que se aproxima do habitat natural; a quantidade deste não interfere na taxa de parasitismo, mas possui interação significativa com a distância. A abundância de lagartas não sofreu efeito da distância, mas foi beneficiada pelas demais métricas (quantidade de habitat natural, quantidade de pastagem e área cultivada). No terceiro capítulo, avaliamos o efeito de diferentes proporções de T. pretiosum (100.000; 200.000; 300.000 vespas/ha, testemunha 1 = sem liberação e sem aplicação; testemunha 2 = sem liberação e com aplicação). Todos os tratamentos com liberação de parasitoides mantiveram a população de lagartas abaixo do nível de controle, por isso, recomendamos o uso de 100.000 vespas/ha por representar menor custo de produção. Espera-se que esses resultados contribuam para subsidiar o manejo ecológico de lagartas na cultura da soja e assim reduzir os riscos para biodiversidade.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 136121002 - ALESSANDRA REGINA BUTNARIU
Externo à Instituição - BRUNO ALEXIS ZACHRISSON SALAMINA - UP
Externo ao Programa - 80797005 - CARLA GALBIATI
Externo à Instituição - MADELAINE VENZON - EPAMIG
Presidente - 101366004 - MONICA JOSENE BARBOSA PEREIRA
Notícia cadastrada em: 02/09/2020 10:03
SIGAA | Tecnologia da Informação da Unemat - TIU - (65) 3221-0000 | Copyright © 2006-2022 - UNEMAT - sig-application-04.applications.sig.oraclevcn.com.srv4inst1