Banca de DEFESA: Michele de Arruda Vasconcelos Moura

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : Michele de Arruda Vasconcelos Moura
DATA : 11/12/2023
HORA: 14:00
LOCAL: Vídeo Conferência
TÍTULO:

Educação Escolar Panará sob a perspectiva das práticas pedagógicas e culturais na Escola Municipal Indígena Pessuata no município de Guarantã do Norte-MT


PALAVRAS-CHAVES:

Educação escolar indígena. Povo Panará. Práticas interculturais. Bilinguismo.


PÁGINAS: 150
RESUMO:

A pesquisa intitulada “Educação Escolar Panará: desafios e possibilidades a partir das práticas interculturais na Escola Municipal Indígena Pessuata - Guarantã do Norte/MT”, desenvolvida na Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado de Mato Grosso (PPGEdu/UNEMAT), tem como objetivo compreender como ocorrem as práticas interculturais na EMI Pessuata no município de Guarantã do Norte (MT) em todos os níveis de ensino da educação básica (educação infantil, anos iniciais do ensino fundamental I e fundamental II e ainda ensino médio), especialmente a etnia Panará. Delineamos um conjunto de objetivos que auxiliaram no desenvolvimento dessa pesquisa, como: investigar as características da educação escolar Panará; analisar a formação dos profissionais da EEI lócus da pesquisa; compreender a relação entre as práticas interculturais pautadas no bilinguismo que buscam aproveitar os conhecimentos indígenas em sala de aula. Diante dos estudos realizados para compreender a Educação Escolar Panará e as legislações que contribuíram para as práticas interculturais na EMI Pessuata, os objetivos propostos foram analisados por meio de uma metodologia qualitativa. Foram utilizados procedimentos de pesquisa bibliográfica e de campo, incluindo observação etnográfica das aulas e entrevistas individualizadas e coletivas com professores, coordenador pedagógico e anciões da comunidade Para relacionar a discussão da pesquisa, foram abordados autores como Maturana e Varela, Mantoan, Funari e Piñón, a fim de repensar a organização do espaço escolar com um caráter intercultural efetivo para os estudantes indígenas. Também foram utilizados referenciais epistemológicos da educação intercultural e dialógica de Grupioni, Fleuri e Freire, Zoia e Ferreira, entre outros autores, para refletir sobre práticas educacionais que consideram a cultura indígena entrelaçada com os movimentos da sociedade em que estão inseridos, buscando promover um ensino que respeite as diversidades e utilize essas diferenças para uma educação escolar verdadeiramente intercultural e bilíngue. Chegamos à conclusão de que os povos indígenas reconhecem o papel e o poder da educação escolar dentro e fora da comunidade, defendendo um ensino que não apenas forme os educandos, mas também se preocupe com a formação cultural e política. É essencial compreender as relações interculturais, especialmente em uma sociedade multicultural, pois não se busca apagar uma ou outra cultura, mas estabelecer um diálogo constante entre ambas por meio da escolarização. É importante que a educação escolar seja planejada e organizada pelos próprios indígenas, garantindo suas especificidades e identidade.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - 013.918.771-52 - ADRIANA OLIVEIRA DE SALES - UFMS
Presidente - 38925002 - ALCEU ZOIA
Interno - 53664001 - ROSANE DUARTE ROSA SELUCHINESK
Interno - 25648011 - WALDINEIA ANTUNES DE ALCANTARA FERREIRA
Notícia cadastrada em: 25/11/2023 11:36
SIGAA | Tecnologia da Informação da Unemat - TIU - (65) 3221-0000 | Copyright © 2006-2024 - UNEMAT - sig-application-04.applications.sig.oraclevcn.com.srv4inst1