Projeto Político Pedagógico

Para a construção da matriz curricular, considerou-se as discussões nacionais que apontam para um conjunto geral de aptidões necessárias a todas as áreas de atuação do profissional de Computação, que são:

·         Forte embasamento conceitual;

·         Domínio do processo de projeto e implementação de sistemas computacionais;

·         Sólidos conceitos fundamentais das diversas áreas da computação;

·         Capacidade de aplicar os conceitos envolvidos com teoria da computação;

·         Domínio das regras básicas que regem a ética profissional;

·         Capacidade de aplicar os conhecimentos específicos de diversas áreas da computação.

 

Para o perfil com forte embasamento conceitual em áreas que desenvolvam o raciocínio, senso crítico e habilidades intelectuais, as habilidades a serem desenvolvidas nos alunos são:

a)       Desenvolver raciocínio lógico e matemático;

b)      Capacidade de entender e resolver problemas da física;

c)       Domínio das técnicas da matemática como suporte a outras disciplinas e à formação científica como um todo;

d)      Domínio das técnicas da física como suporte a outras disciplinas e à formação científica como um todo.

 

Para o perfil com domínio do processo de projeto e implementação de sistemas computacionais, envolvendo tanto software quanto hardware, as habilidades a serem desenvolvidas nos alunos são:

a)        Programar sistemas computacionais utilizando diferentes paradigmas;

b)       Utilizar conceitos de outras áreas, tais como cálculo numérico, pesquisa operacional e estatística para solução de problemas;

c)        Modelar sistemas utilizando diferentes métodos, técnicas e ferramentas visando uma solução sistematizada;

d)       Desenvolver projetos de software;

e)        Desenvolver projetos em hardware;

 

Para o perfil com sólidos conceitos fundamentais das diversas áreas da computação, as habilidades a serem desenvolvidas nos alunos são:

a)         Desenvolver e aplicar os protocolos de comunicação e de gerenciamento de redes;

b)        Utilizar os conceitos de Computação Gráfica;

c)         Aplicar as técnicas de Inteligência Artificial;

d)        Desenvolver e utilizar Bancos de Dados;

e)         Entender os conceitos envolvidos com o desenvolvimento de compiladores;

f)         Desenvolver e aplicar das técnicas e ferramentas para análise de desempenho de arquiteturas de computadores;

g)        Desenvolver e aplicar os conceitos, métodos e técnicas de Engenharia de Software;

h)        Desenvolver e aplicar as técnicas e métodos para o desenvolvimento de Sistemas de Informação.

 

Para o perfil na capacidade de aplicar os conceitos envolvidos com teoria da computação, habilidades a serem desenvolvidas nos alunos são:

a)         Noção formal de algoritmo, de computabilidade e do problema de decisão;

b)        Consciência das limitações da ciência da computação.

 

            Para o perfil com domínio das regras básicas que regem a ética profissional da área de computação, habilidades a serem desenvolvidas nos alunos são:

a)         Conhecimento da legislação vigente que regulamenta propriedade intelectual, acesso a dados públicos e privados, questões de segurança;

b)        Desenvolvimento de trabalhos em equipes com um forte entrosamento entre os integrantes e um relacionamento ético em todos os aspectos do desenvolvimento, implementação e gerenciamento dos sistemas.

 

Para o perfil com capacidade de aplicar os conhecimentos específicos de diversas áreas da computação pretende-se aprimorar as habilidades dos alunos nas seguintes áreas:

a)         Banco de Dados;

b)        Computação Distribuída;

c)         Computação Gráfica;

d)        Engenharia de Software;

e)         Hardware;

f)         Inteligência Computacional;

g)        Multimídia e Hipermídia;

h)        Redes de Computadores.

A área de Computação no Brasil não possui regulamentação para a categoria, permitindo um campo amplo de atuação profissional, onde a estrutura curricular foi construída para que os egressos estejam aptos a:

·         Atuar em empresas da área de Computação;

·         Atuar como empreendedores na área da Computação;

·         Dar continuidade da carreira acadêmica;

·         Atuar em atividades de pesquisa e desenvolvimento.

As aptidões específicas que devem ser desenvolvidas pelos acadêmicos em cada um desses campos são apresentadas a seguir.

 

Atuação em empresas da área de Computação

O profissional formado no curso de Bacharelado em Ciência da Computação poderá atuar em empresas de diferentes ramos de atividades, no setor específico de computação e/ou desenvolvimento, implementação e gerenciamento de sistemas computacionais, desempenhando as funções de analista de sistemas, projetista de sistemas, analista de suporte de sistemas, de chefia intermediária e superior. Esses profissionais atuam em empresas da área computacional que prestam serviços e produtos, como exemplo: empresas de consultorias e em empresas dedicadas ao desenvolvimento tanto de hardware quanto de software.

Visando à formação dos egressos que atuarão em empresas na área da Computação, os alunos deverão estar aptos para se entrosar, o mais rapidamente possível, em empresas com diferentes características. Para esse fim as seguintes habilidades devem ser desenvolvidas:

a)      Conhecer os principais modelos, de estruturas e de técnicas utilizadas nas organizações;

b)      Desenvolver a capacidade de atuação em equipes multidisciplinares com o desenvolvimento de um bom relacionamento com outros profissionais (tanto da área de computação como com clientes de outras áreas em geral);

c)      Prática de exposição oral e escrita de temas em Ciência da Computação;

d)      Desenvolver a capacidade de se adaptar a novas tecnologias.

 

Atuação como empreendedores na área da Computação

Os egressos que atuarem como empreendedores na área da computação deverão possuir aptidões similares aos egressos que estarão atuando em empresas já consolidadas, com o desenvolvimento de uma aptidão adicional para o empreendedorismo. Dessa forma, as habilidades que devem ser trabalhadas são:

a)      Conhecer os principais modelos, de estruturas e de técnicas utilizadas nas organizações;

b)      Desenvolver a capacidade de atuação em equipes multidisciplinares com o desenvolvimento de um bom relacionamento com outros profissionais (tanto da área de computação como com clientes de outras áreas em geral);

c)      Desenvolver a capacidade empreendedora.

 

Dar continuidade da carreira acadêmica e Atuação em atividades de pesquisa e desenvolvimento

A opção pela carreira acadêmica é mais uma possibilidade para os egressos do Bacharelado em Ciência da Computação da UNEMAT. Neste caso, os alunos darão continuidade aos estudos na área de computação através de programas de pós-graduação: especialização, MBA, mestrado e de doutorado.

O egresso em Ciência da Computação que atuar em Pesquisa e Desenvolvimento estará associado a centros de pesquisa, em IES e empresas que fomentam o progresso da área da computação, propondo a inovação tecnológica.

Os egressos que optarem por atuar em carreira acadêmica estará desenvolvendo suas atividades nas universidades e em centros de pesquisa.

As habilidades que deverão ser desenvolvidas para esta opção são:

a)      Aprofundamento do conhecimento em área (ou áreas) específica (s) da computação visando possibilitar uma contribuição para o desenvolvimento da área;

b)      Desenvolvimento de metodologia de pesquisa;

c)      Prática de exposição oral e escrita de temas em Ciência da Computação;

d)      Desenvolver a capacidade de atuação em equipes com o desenvolvimento de um bom relacionamento com outros profissionais.

        Independentemente da opção escolhida pelo aluno, o Bacharelado em Ciência da Computação da UNEMAT visa formar um egresso que tenha conhecimento da responsabilidade de sua atuação no mercado de trabalho, no sentido de contribuir para o aprimoramento da sociedade em geral. Dessa forma, o egresso deste curso deve estar apto para trabalhar como agente transformador da sociedade em que está inserido, visando o progresso, o desenvolvimento autossustentável e, principalmente, a aplicação da tecnologia visando à obtenção de uma sociedade comprometida com a ética e com a justiça social.

Nesta perspectiva, as habilidades e competências técnicas desenvolvidas ao longo do curso incidem no resultado de uma formação obrigatória, consequentemente, comum a todos os acadêmicos. Preocupando-se no conjunto de documentos expostos pela Association for Computing Machinery (IEEE-CS/ACM, 2001) e Sociedade Brasileira da Computação (SBC 2005) para o profissional de Ciência da Computação, a relação de habilidades e competências que esperamos encontrar presentes, individualmente ou coletivamente, para os egressos do curso de Bacharelado em Ciência da Computação da UNEMAT, são:

·         Dominar os vários aspectos de um sistema de computação, transitando por todas as sub-áreas da informática com naturalidade, além de absorver novas tecnologias, acompanhando a evolução da informática durante toda a sua carreira;

·         Analisar e modelar problemas que lhe sejam apresentados, adotando as técnicas adequadas para solucioná-los da melhor maneira possível, sendo capaz de buscar alternativas;

·         Compreender e ser capaz de definir formalmente os conceitos fundamentais da Ciência da Computação.

·         Desenvolver o raciocínio abstrato, de modo que lhe seja possível compreender e solucionar problemas potencialmente complexos.

·         Ser capaz de desenvolver novos algoritmos, sistemas, provas, métodos e métricas relacionados à Computação.

·         Aplicar os conhecimentos adquiridos na resolução de problemas computacionais.

Em síntese, o objetivo do curso de Bacharelado em Ciência de Computação é formar o profissional com base teórico-prática sólida, capaz de estabelecer a interlocução com seus pares, que possa se adaptar a diferentes situações com relativa facilidade e que consiga enfrentar problemas novos a ele propostos com competência, criatividade, senso crítico e ética. Desta perspectiva, as habilidades e competências desenvolvidas ao longo do curso incidem no resultado de uma formação obrigatória, consequentemente, comum a todos os acadêmicos.

METODOLOGIAS E POLÍTICAS EDUCACIONAIS

 

2.1 Relação entre Ensino, Pesquisa e Extensão

 

Para vincular a teoria à prática, o curso de bacharelado em Ciência da Computação apresenta em sua matriz curricular disciplinas com créditos totalmente teóricos e práticos, bem como créditos divididos entre teoria e prática, para atender a necessidade da saber-fazer. A distribuição das disciplinas no curso deve dar forte ênfase no uso de laboratórios para capacitar os acadêmicos no uso eficiente dos conceitos teóricos e das tecnologias computacionais.

As disciplinas com créditos práticos laboratoriais enfatizam a aplicação de conhecimentos para a solução de problemas reais. Usando os respectivos laboratórios para oferecer ao discente ambiente semelhante aos espaços de trabalho, favorecendo o desenvolvimento das suas habilidades com o uso de instrumentos computacionais para a simulação de ambientes reais. É importante observar que este curso reúne várias áreas da computação, como: Teoria da Computação, Matemática e Física, Algoritmos, Programação, Banco de Dados, Inteligência Computacional, Sistemas Embarcados, Rede de Computadores, Computação Gráfica, Interface Homem Computador, Engenharia de Software; portanto, deve possuir, de ambas as áreas, um enfoque pragmático forte teórico-prático.

As atividades em projetos de pesquisa, extensão, estágio supervisionado e disciplinas com práticas laboratoriais são os elementos “chaves” curriculares onde a relação teórico-prática tem maior visibilidade. A prática a ser realizada nas disciplinas ocorrerá nos laboratórios, já as disciplinas não vinculadas diretamente às linhas de pesquisa (por exemplo: Algoritmo e Laboratório de Programação I, Algoritmo e Laboratório de Programação II, Estrutura de Dados I; Estrutura de Dados II; Sistemas Digitais; Realidade Virtual; Laboratório de Banco de Dados; Laboratório de Engenharia de Software) podem fazer uso de espaços físicos compartilhados, de acordo com a disponibilidade de horários.

A prática tem por objetivo aprimorar o conhecimento apresentado em teoria, servindo como forma de consolidar as informações trabalhadas nas disciplinas, além disso, existem conteúdos fundamentalmente práticos, nos quais a utilização de laboratórios é indispensável para uma efetiva aprendizagem do aluno. Outra forma de fortalecer o vínculo teórico-prática é mediante a prática do estágio supervisionado em empresas e/ou instituições, momento importante como experiência de aprendizagem para o acadêmico.

 

 

2.2 Integração com a Pós-graduação

 

A integração graduação/pós-graduação no Bacharelado em Ciência da Computação é um processo em constante construção, que busca a comunicação e realização de atividades conjuntas entre o Programa de Mestrado de Ensino em Ciências e Matemática oferecido no campus Deputado Estadual Renê Barbour, e o Programa de Mestrado profissional em Rede ProfNit (Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação).

A integração tem sido realizada com a participação de professores do quadro docente do Bacharelado em Ciência da Computação no programa de Ensino em Ciências e Matemática e o ProfNit. A qualificação do quadro de professores da Ciência da Computação pode ser realizada através da linha de pesquisa Tecnologias Digitais no Ensino de Ciências e Matemática. Nesta linha de pesquisa discute-se, analisa-se e investiga-se metodologias teóricas e empíricas sobre a influência das tecnologias digitais no processo de produção do conhecimento em Ciências e Matemática.

O estreitamento dos quadros docentes do mestrado e da graduação acabam por formar grupos e projetos de pesquisa, e orientações de iniciação científica conjuntas. Bolsistas e acadêmicos fazem trabalho de conclusão de curso orientados por professores da Ciência da Computação e docentes do Mestrado.

 

2.3 Mobilidade estudantil e internacionalização

 

É prevista a mobilidade acadêmica de no mínimo dez por cento (10%) do total de créditos para serem cursados em outros Cursos/Campi/IES, em conformidade com a Resolução 071/2011 – CONEPE que dispõe sobre o Programa de Mobilidade Estudantil na Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT, bem como orientação da Instrução Normativa 004/2019 que dispõe sobre os procedimentos de migração e revisão de estruturas curriculares dos cursos de graduação ofertados pela Universidade do Estado de Mato Grosso em todas as suas modalidades.

Nenhum conteúdo disponível até o momento

A avaliação do desempenho dos acadêmicos no Bacharelado em Ciência da Computação pode ser realizada por conceito ou nota e entendida como um processo contínuo, cumulativo, descritivo e compreensivo, que busca explicar e compreender criticamente os resultados previstos no Projeto Pedagógico do Curso.

O professor tem de registrar em seu diário de classe o desempenho do acadêmico da graduação na forma. As atividades acadêmicas poderão ser expressas em notas parciais, que serão traduzidos em notas ao final do período letivo.

As avaliações do desempenho acadêmico devem seguir o estabelecido pela Normatização Acadêmica da Unemat.

A frequência às aulas e demais atividades acadêmicas do curso regular de graduação é obrigatória. O acadêmico terá frequência considerada satisfatória para cômputo conjunto às avaliações se obtiver frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) das aulas e demais atividades acadêmicas programadas.

A verificação, registro e controle da frequência do acadêmico no curso de graduação, são de responsabilidade do docente da disciplina.

Baixar Arquivo
SIGAA | Tecnologia da Informação da Unemat - TIU - (65) 3221-0000 | Copyright © 2006-2022 - UNEMAT - sig-application-04.applications.sig.oraclevcn.com.srv4inst1