Banca de DEFESA: LUCAS HEBER MARIANO DOS SANTO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LUCAS HEBER MARIANO DOS SANTO
DATA : 30/11/2020
HORA: 14:00
LOCAL: virtual por Zoom
TÍTULO:

EFEITO DE BORDA E FOGO SOBRE A COMUNIDADE REGENERANTE DE UMA FLORESTA NA TRANSIÇÃO AMAZÔNIA-CERRADO


PALAVRAS-CHAVES:

floresta de transição; fogo; regeneração; sub-bosque; copa; liana; lidar; plântula


PÁGINAS: 30
RESUMO:

Entender como as florestas e suas bordas se comportam após eventos de fogo é de extrema importância, pois permite melhorar a compreensão dos feedbacks que mantem o processo de degradação da floresta que se iniciam na borda e avançam floresta adentro. Entretanto, grande parte dos estudos não considera a interrelação de distúrbios que normalmente coocorrem. Além disso, frequentemente nos estudos da resposta da vegetação a distúrbios os estudos  não focam nos indivíduos de pequeno que podem oferecer informações diretas sobre o processo de sucessão. Nesse trabalho avaliamos os efeitos de três regimes de queimadas experimentais (não-queimado, queimado anualmente e queimado três vezes) nove anos após o último incêndio, de diferentes distâncias à uma borda com agricultura e da estrutura da copa usando métricas LIDAR sobre a diversidade de dois estratos (Plântula: <1 cm;  Arvoreta: < 5 cm de diâmetro) da comunidade regenerante  de três áreas na transição Amazônia-Cerrado usando regressões. Encontramos que embora os povoamentos queimados tenham recuperado a riqueza comparado ao controle não queimado, a composição mudou completamente com as espécies de borda avançando para o interior da floresta, sendo essa composição controlada pelas características da copa e distância da borda. Além disso, verificamos que a estrutura da copa é altamente relacionada com a distância da borda, independente de regime de queimada, com a copa mais baixa e menos complexa próxima a borda. Não houve diferença na proporção média de lianas por parcela entre as áreas em plântula, mas em arvoreta, a área queimada anualmente sobressaiu sobre os demais. Ademais, a proporção de lianas por parcela, em geral, aumentou afastando-se da borda em plântula e decresceu arvoreta. Também abundância de lianas em plântula foi maior no controle não queimado, enquanto que em arvoreta, os tratamentos e distância com a borda não tiveram efeito sobre a abundância. Essas respostas apontam para padrões complexos de degradação com diversos distúrbios interagindo e atuando ao mesmo tempo. Concluímos que o tempo decorrido desde a última queimada não foi suficiente para recuperar as florestas queimadas, e que a distância com a borda  cria um gradiente de composição que permite algumas espécies avançar para dentro da floresta no período de recuperação pós-distúrbios.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 736.660.411-91 - TED RONALD FELDPAUSCH - NENHUMA
Externo ao Programa - 200202001 - PAULO SERGIO MORANDI
Externo à Instituição - LIDIANY CAMILA DA SILVA CARVALHO - UENF
Externo à Instituição - EDMAR ALMEIDA DE OLIVEIRA - UNEMAT
Externo à Instituição - PAULO MONTEIRO BRANDO - IPAM
Notícia cadastrada em: 01/11/2020 22:09
SIGAA | Tecnologia da Informação da Unemat - TIU - (65) 3221-0000 | Copyright © 2006-2022 - UNEMAT - sig-application-01.applications.sig.oraclevcn.com.srv1inst1